Sexta-feira, 19 de setembro de 2014
Santa Cruz do Sul - RS
Boa tarde, 14h47

Editorias

Colunas

Mais

Sobre

Você está aqui: Página Inicial > Geral > Existem imagens que lembram o Natal

| Geral > Natal

Diminuir a fonte  Aumentar a fonte

Existem imagens que lembram o Natal

De todas as festas cristãs, o Natal é uma das mais bonitas, pois é carregada de cores, de luzes e de símbolos muito ricos em significado. Ao mesmo tempo em que a cidade se soma, com seu comércio febril, aos festejos do Natal, esvazia sua riqueza simbólica. Os símbolos não falam diretamente, mas buscam apontar para algo que vai além do nosso horizonte de compreensão.


O homem não vive sem sinais e símbolos. Seu pensar, seu conhecer, seu expressar o real e o espiritual é materializado através de símbolos. Ele transforma tudo em símbolos para ser entendido pelos outros. Assim a língua falada e escrita e as artes nas suas diversas expressões (pintura, escultura, música, dança ...) são os símbolos mais comuns. Conheça melhor a grandeza dos significados de alguns dos principais símbolos do Natal.


A  árvore de Natal


No mundo, milhões de famílias celebram o Natal ao redor de uma árvore. Símbolo da vida, ela é tradição mais antiga do que o próprio Cristianismo, e não é exclusiva de uma só religião.


Muito antes de existir o Natal, os egípcios traziam galhos verdes de palmeiras para dentro de suas casas no dia mais curto do ano em dezembro como um símbolo de triunfo da vida sobre a morte.


Já o costume de ornamentar a árvore pode ter surgido do hábito que os druidas tinham de decorar velhos carvalhos com maçãs douradas para as festividades deste mesmo dia do ano. A primeira referência a uma “Árvore de Natal” vem do século XVI. Na Alemanha, famílias ricas e pobres decoravam árvores com papel colorido, frutas e doces. Esta tradição se espalhou pela Europa e chegou aos Estados Unidos pelos colonizadores alemães. Logo, a árvore de Natal passou a ser popular em todo mundo.

 

A Vela

 

Por milhares de anos, até a descoberta da energia elétrica há 100 anos, a vela, a lamparina, o lampião a óleo, ou as tochas foram às fontes de luz nas trevas noturnas. A minúscula chama afugentava as trevas, a escuridão dando segurança e calor. Por isso na antiguidade alguns povos chegaram a cultuar o fogo como divindade. Jesus Cristo é a luz que ilumina nosso caminho: “Eu sou a luz do mundo, quem me segue não andará nas trevas, mas terá a luz da vida” (Jo 8,12). E “vós sois a luz do mundo... não se acende uma candeia para se pôr debaixo de uma vasilha, mas num candelabro para que ilumine todos os da casa. É assim que deve brilha vossa luz” (MT 5,14-16).


O Papai Noel

 

O bom velinho foi inspirado no bispo Nicolau, que viveu e pontificou na cidade de Myra, Turquia, no século IV. Nicolau costumava ajudar, de forma anônima, quem estivesse em dificuldades financeiras. Colocava o saco com moedas de ouro a ser ofertado na chaminé das casas. Foi declarado santo depois que muitos milagres lhe foram atribuídos.


Sua transformação em símbolo natalino aconteceu na Alemanha e daí correu o mundo. Nos Estados Unidos, a tradição do velhinho de barba comprida e roupas vermelhas que anda num trenó puxado por renas ganhou força. A figura do Papai Noel que conhecemos hoje foi obra do cartunista Thomas Nast, na revista Harper’s Weeklys, em 1881.

 

O Presépio

 

Um dos símbolos m ais comuns no Natal dos países católicos é a reprodução do cenário onde Jesus Cristo nasceu: uma manjedoura, animais, pastores, os três reis magos, Maria, José e o Menino Jesus.


O costume de montar presépios surgiu com São Francisco de Assis, que pediu a um homem chamado Giovanni Villita que criasse o primeiro presépio para visualizar, sensibilizar, facilitar a meditação da mensagem evangélica, do conteúdo, do mistério de Jesus Cristo que nasce na pobreza, na simplicidade.


São Francisco, então, celebrou uma missa em frente a este presépio, inspirando devoção a todos que o assistiam.

 

A Estrela

 

A estrela na sociedade humana esteve sempre ligada como “bússolas naturais” das pessoas. Hoje os aparelhos de navegação evoluíram de tal forma que as estrelas se tornaram apenas ornamentos no céu, objeto de estudo. Contudo durante milhares de anos eram elas as responsáveis em guiar os navegadores pelos mares e os viajantes pelos desertos. Eram elas que indicavam a direção, o sentido, o porto seguro.


A estrela guiou os três reis magos Baltazar, Gaspar, Melchíor, desde o oriente até local onde nasceu Jesus para que pudessem presenteá-lo com ouro, incenso e mirra. É lembrada hoje pelo enfeite que é colocado no topo da árvore de Natal. E Jesus Cristo é a Estrela Guia da humanidade. Ele é o caminho, o Sentido, a Verdade e a Vida.

Fonte: Por César Dutra, Diário Regional

Data: 24/12/2009


Imagens relacionadas

  • Foto: Divulgação
  • Foto: Rodrigo Nascimento
  • Foto: Divulgação
  • Foto: Divulgação
  • Foto: Divulgação

Gostei, quero ...

  • Imprimir esta notícia Imprimir
  • Indicar esta notícia Indicar
  • Comentar esta notícia Comentar
  • Avaliar esta notícia Avaliar
  • Compartilhar Compartilhar
  • Contatar a redação Contatar a redação
    Seu nome:
    Seu e-mail:
    Nome do seu amigo:
    E-mail do seu amigo:
    Observações:
     
    Seu nome:
    Seu e-mail:
    Comentário:
     
    6 7 8 9 10
    Twitter
    Seu nome:
    Seu e-mail:
    Contato:
     

Diário Regional

Rua Professor Ivo Radtke, 68
Santa Cruz do Sul, RS

Telefone: (51) 3053 1010 - 3711 2600

redacao@diarioregionalrs.com.br

recepcao@diarioregionalrs.com.br

O Jornal | Fale Conosco | Assinaturas | Publicidade

Login | Webmail

Adamantis Publicidade Web